sábado, 6 de fevereiro de 2016

poema

não houve boa fé
nenhuma colher de pau para mexer a coalhada
tampouco houve novena
apenas nós, cada um em seu lençol
esperando o coaxar dos sapos
o derreter das velas
nas cores dos sonhos
e de todos os santos rezados por minha vó