domingo, 6 de novembro de 2016

06\11\2016

Uma afirmação tão óbvia: "amanhã vai ser outro dia". E incontestável nessa sua evidência. Porém, suficiente para lembrar que os seres humanos vivem no tempo e nele fazem a sua História. É verdade: "A manutenção dos sistemas de dominação depende de renovações do “definitivo”. É da sua própria lógica: para as classes dominantes, é sempre um risco permitir que a história seja lida e interpretada pelos pobres." Muito mais do que isso: as elites dominantes empenham-se em impedir que se faça a História. Negam-se a si mesmos, deixam de ter História, pretendendo-se deuses. Queimaram os documentos da História da Escravidão e ainda não pagaram pelo crime. Mas, como existe o "tempo histórico", não houve esquecimento, os seus restos são documentados na miséria e na pobreza das periferias. A tentativa de negar a existência da História foi breve, por ser tosca demais. Hoje, e como sempre foi e lhes parece mais viável, mentem, usam os meios de divulgação, construindo uma mentira que não suportará a ação dos ventos de novos tempos. Eles virão!


http://correiodobrasil.com.br/serra-e-delacao-da-odebrecht/

PCO - Partido da Causa Operária

O capitalismo ou neoliberalismo prevê todas as medidas que estão adotando, como baixo investimento em saúde e educação, trabalho por hora de produção, livre acordo entre patrões e empregados. Portanto, está tudo certo. E mantendo-se esse governo será assim.
O que quase ninguém sabe é que vigora esse capitalismo aqui empregado apenas em países de terceiro mundo. Embora muitos considerem os EUA como modelo, não sabem dizer onde o Brasil buscará dinheiro se não temos colônias de exploração como tantas necessárias para que os EUA sobrevivam.
Portanto, protestar contra o direito de implementar o programa capitalista a um governo capitalista é inútil.
Deveriam lembrar que esse governo é ilegítimo, e só resgatando o governo legítimo ficaremos livres dele e de seus efeitos