terça-feira, 8 de novembro de 2016

08\11\16
A indústria farmacêutica, associada com frequência a ilustres membros da "máfia de branco", mana e desmana em terras subdesenvolvidas, onde algumas gorjetas lubrificam a máquina burocrática do Estado. "É o requisito da novidade que compatibiliza os direitos dos inventores com os da coletividade.
A ADIN afirmava que as patentes pipeline seriam inconstitucionais “exatamente por permitirem o monopólio de produtos e medicamentos que já estariam em domínio público, integrando o patrimônio comum da sociedade, sem que apresentasse, assim, o requisito da novidade”.
A ADIN caiu na relatoria da Ministra Carmen Lúcia. e com ela permanece. A "Malévola" confirma a tese de que, muito mais do que as siliconadas, as despeitadas são megeras perigosas.
Até hoje não saiu de sua gaveta.
“Graças a Deus!”, diriam não os doentes, mas as multinacionais farmacêuticas."
http://www.viomundo.com.br/denuncias/luis-nassif-por-que-ha-seis-anos-a-ministra-carmen-lucia-deixa-dormir-em-sua-gaveta-uma-adin-que-permitiria-medicamentos-mais-baratos.html