terça-feira, 15 de novembro de 2016

15\11\16
Viva a Proclamação da Republica!
Aprendi no colégio de uma forma bastante didática: "O Império caiu, minado pelas questões: religiosa, militar, a idade do Imperador, com uma morte que anunciava o poder a ser exercido por um francês (o Conde D'Eu), a libertação dos escravos." E...será que foi isso mesmo? Tudo indica que não. A República trouxe como única novidade a implantação de um regime federativo que dava amplo poder à nova classe dos cafeicultores. Eles não eram apenas fazendeiros de café. Tornaram-se cidadãos, banqueiros, construtores de estradas de ferro e de cidades interioranas. Tomaram o Poder da Corte, fazendo-se os "barões do café".Durante a República Velha, São Paulo e Minas, através de seus Partidos Republicanos (que eram estaduais), levaram o Brasil à dependência dos banqueiros ingleses, para que se mantivessem os lucros, garantidos por preços "defendidos" pelo Estado.
A "República Velha" consolidou o Estado Cartorial, aquele que, a pretexto de servir à Nação, serve, com a prática de pequenos e grandes favores, às elites. Para elas, não mais a casa grande, mas os palacetes assobradados; para o povo, não mais a senzala, mas os cortiços. Assim nasce e permanece a tal "REPUBLICA DAS BANANAS".