quarta-feira, 23 de novembro de 2016

23\11\16
A VENEZUELA NÃO É AQUI: o petróleo deles é deles, o nosso, é da Shell
O 'Brazil' de Michel Temer quer patrocinar o golpe-de-estado que os Estados Unidos planejam para derrubar o governo democrático da Venezuela. Como primeiro passo, o "chanceler" Serra, com o seu secretário informal,FHC, foram à Montevideo, tentando subornar o governo uruguaio e obtendo seu voto em favor da exclusão daquele País no Mercosul; não foi bem sucedido. Mas não era o desejável? O bolivarismo tão irritante não ameaça e PAX americana, ao mesmo tempo em que submete o povo venezuelano a miséria negra, como nos contam os jornais "brazileiros", batendo e rebatendo notícias sobre as "revoltas populares", que não suportam mais a falta de papel-higiênico.
É verdade: há alguns aspectos que são suavemente omitidos.
1. A Venezuela tem as maiores reservas de petróleo e gás natural do mundo, além de ser classificada consistentemente entre os dez maiores produtores mundiais de petróleo. Além das maiores reservas de petróleo convencional e a segunda maior reserva de gás natural do Hemisfério Ocidental, o país também possui depósitos não convencionais de petróleo (óleo bruto extra-pesado, betume e areias betuminosas) aproximadamente iguais às reservas mundiais de petróleo convencional. 
2. Em 1908 Juan Vicente Gómez tomou o poder e fez-se ditador durante os vinte e sete anos seguintes. Foi durante o seu governo, em 1922, que se iniciou a exploração das jazidas de petróleo da Venezuela. Em 1945, após a queda da ditadura do general Isaías Medina Angarita, Rómulo Betancourt tornou-se presidente provisório até as eleições livres de finais de 1947 que levaram o escritor Rómulo Gallegos à presidência. Uma revolta militar retirou-o do poder; em 1953 instalou-se a ditadura de Pérez Jiménez, que só deixou o poder em 1958. A descoberta do petróleo tornou a democracia incompatível com a Democracia, permitindo que se sucedessem os golpes de Estado patrocinados pela CIA e pelo governo dos EUA.
3. Em 1973, a Venezuela votou a nacionalização de sua indústria petrolífera, a Petróleos de Venezuela (PDVSA) assumido e presidindo uma série de empresas subsidiárias; nos anos seguintes, o país construiu um vasto sistema de refino e comercialização na Europa e nos Estados Unidos. Na década de 1990, entretanto, a PDVSA deixou de ser uma empresa do Estado, fazendo possível a participação de investimentos estrangeiros. Em 2001, Hugo Chaves fixou limites para essa participação. O que é hoje a PDVSA? A Petróleos de Venezuela (PDVSA) é uma empresa estatal venezuelana que se dedica a exploração, produção, refino, comercialização e transporte de petróleo da Venezuela. Fundada em 1 de janeiro de 1976, a PDVSA é a terceira maior empresa da América Latina, depois da brasileira Petrobras e a mexicana Pemex. Atualmente a PDVSA é a petrolífera com maiores reservas de petróleo do mundo, alcançando um total de 3,1 bilhões de barris e foi catalogada como a segunda petrolífera mais poderosa depois da ExxonMobil.
4. Ao nacionalizar a PDVSA, Hugo Chaves tornou-se jurado de morte do Departamento de Estado dos EUA e inimigo das famílias que compõem a elite no País. Em 1998 começava a "Revolução Bolivariana", como resultado escrevendo-se a nova Constituição da Venezuela. Deposto por um golpe de Estado em 2002, voltou em dois dias ao poder, reconduzido pelo povo. Chávez sobreviveu a vários testes políticos adicionais, tentativas de promoção de golpes patrocinadas pelas petroleiras, com apoio dos governos "democráticos" norte-americanos, incluindo um referendo revogatório em agosto de 2004. Foi eleito para um novo mandato em dezembro de 2006 e reeleito para um terceiro mandato em outubro de 2012. Maduro é o presidente, desde a morte de Chaves, eleito constitucionalmente. 
5. Ao serem comovidos com as "desgraças" que o bolivarismo impõe aos venezuelanos, nós, os "brazileiros", permitimo-nos o papel de otários, idiotizados pela imprensa posta a serviço da "máfia do petróleo". Vejamos um pouco sobre a miséria desse povo-irmão:
a) A mortalidade infantil na Venezuela está em 16 mortes a cada 
1000 nascimentos, muito mais baixo do que a média da América do Sul. Má nutrição de crianças atinge 17%, com Delta Amacuro e Amazonas tendo os piores índices.
b) De acordo com as Nações Unidas, 32% dos venezuelanos não possuem saneamento adequado, principalmente aqueles vivendo em áreas rurais. Já no nosso Brazilzão, só o Rio Grande do Sul bate a Venezuela, com 12,7 mortes por 1000 habitantes; em Pernambuco: 35,7. De acordo com o Instituto Brasil, o país ocupa a 11ª posição entre 17 países analisados pela Comissão Econômica para a América Latina (Cepal), estando atrás da Bolívia, Peru, Uruguai, Equador, Venezuela, Chile, México, Argentina, Colômbia e Costa Rica. Metade da população brasileira não conta com coleta de esgoto e apenas um quarto dela vive em localidades com tratamento dos dejetos, enquanto 35% dos brasileiros desconhecem o que seja água tratada.
Enquanto as nossas classes médias engolem e digerem as mensagens IMpostas pela Globo, Estadão, Veja e similares, nossa Esquerda proclama que o PETRÓLEO É NOSSO. 
Nosso?De quem? Depois de sofrermos várias decepções...
A "glória" de entrega da Petrobrás vai para ... Jose Serra.
Então...Viva, Nicolás Maduro Moros!!! Hoje é seu aniversário.
23\11\16
Notícia sobre a chegada do 'político-corujão" a Brasilia (o que dorme durante o dia e busca o colo do Poder da escuridão da noite): "O governo está ganhando muito. E se o governo foi bem até agora, eu vou dizer a vocês que a partir do Roberto, vai ganhar céu azul, vai ganhar velocidade de cruzeiro e vai salvar o Brasil", disse Temer, no discurso durante a cerimônia de posse de seu novo ministro Roberto Freire, realizada na Sala de Audiências do Palácio do Planalto.
A posse, diferente da maioria de seus ministros, foi fechada à imprensa e transmitida aos jornalistas pela NBR, a TV do governo federal. Michel Temer, o golpista, perdeu definitivamente o pouco, muito pouco, pouquíssimo, da noção das coisas, das palavras e das pessoas.

-----------------------------

NEM TODOS OS AMIGOS SÃO CAMARADAS:
" Não é incomum que as decepções pessoais com camaradas se transformem em desalento ideológico no futuro da luta pelo socialismo. E o desânimo, a desesperança, o desengano são maus conselheiros, porque obscurecem a mente e diminuem a lucidez."
É inevitável, para os que não são dogmáticos, que camaradas de luta política decepcionem, ou por terem errado, ou por estarem mal informados , sentimento egóico, ou por desejarem status . O que importa: não perder a lucidez e, com ela, a vontade de lutar...
GEDDEL: o "suíno"? Quem conta é Renato Russo em sua autobiografia.
Uma performance desde os bancos de escola. Renato Russo foi seu colega de colégio : Geddel Quadros Vieira Lima empenhou-se para entrar no grupo de estudos do Renato , pela garantia de notas altas na avaliação final. Filho do político baiano Afrísio Vieira Lima, o gordinho Geddel era um dos palhaços da turma. Chegava no colégio dirigindo um Opala verde, o que despertava atenção das meninas e a inveja dos meninos — que davam o troco chamando-o de “Suíno”. Tinha sempre uma piada na ponta da língua; as matérias, nem sempre.— Eu vou ser político!
Despontou no cenário político nacional, envolvido no escândalo dos "Anões do orçamento", descoberto em 1993, onde parlamentares manipulavam emendas orçamentárias com a criação de entidades sociais fantasmas ou participação de empreiteiras no desvio de verbas. O esquema era comandado pelo deputado baiano José Alves, que ficou conhecido por ter ganhado 56 vezes na loteria só em 1993. Geddel,apoiado político de João Alves, foi responsável pela liberação de várias emendas. Foi também acusado de ter recebido verba de empreiteiras. Na época, também citada a suposta participação de seu pai, Afrísio Vieira Lima, através de uma gravação em que há indícios de seu envolvimento, o que não ficou comprovado. Foi à defesa do pai e acusou João Alves, líder do esquema, de tramar contra ele.
Pérolas mais recentes em seu currículo: informações obtidas por um jornal mostram o envolvimento do ex-ministro Geddel Vieira Lima, presidente do PMBD na Bahia, com o empreiteiro Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS. Segundo relatório feito pela Polícia Federal com base em mensagens de dois celulares apreendidos do empreiteiro, ele fazia pedidos de recursos para campanhas e, em troca, a OAS usava as influência do próprio dentro de diversas instituições públicas. Mensagens apreendidas pela Polícia Federal (PF) na Operação Lava Jato revelam que o ex-vice-presidente da Caixa, ex-ministro e ex-deputado federal Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) teria usado sua influência política para atuar em favor de interesses da construtora OAS dentro do banco público e também na Secretaria de Aviação Civil e junto à prefeitura de Salvador.
Agora, o "Suino" torna-se problema de Michel Temer, seu grande amigo e fiel seguidor (depois de perder Eduardo Cunha, sua vocação de capacho falsificado passou a ser satisfieta pelo Geddel). Juca Ferreira, que foi um competente Ministro da Cultura, já disse o que precisaria ser dito: "Temer não poderá alegar que não sabia do crime cometido por Geddel, que usou suas prerrogativas de ministro para obter benefício pessoal. O ministro palaciano tem que ser imediatamente afastado e as denuncias contra ele apuradas com rigor. É preciso investigar a compra dessa cobertura que Geddel tem no prédio." Houve compra ou seria um pagamento por serviços prestados? O presidente Temer precisa esclarecer à sociedade porque, ao ser informado por Calero, não tomou providências??? A "compra" de Geddel, qualquer ingênuo sabe o que foi.
Colunistas de direita, que apoiaram o golpe parlamentar de 2016 e, portanto, a chegada de Michel Temer ao poder, já cobram do presidente a demissão imediata de Geddel Vieira Lima. José Nêumanne Pinto é exemplo disso, mas não o único. A Globo, agência de notícias do PSDB, fará dura campanha contra.