quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

7\12\16

E agora, já adultos, vamos acreditar em histórias da "carochinha"? São todos coelhos, saindo da mesma toca. Senador pelo PT quer dizer alguma coisa? Quando? como/ onde? Estamos vivendo tempos de conivência: todos apoiam a todos. 
O vice-presidente do Senado, eleito pelo PT, apoia o presidente Renan Calheiros. O Partido que foi dos trabalhadores, está hoje integrado no caos imoral de Brasília. 
Ara!!
---------------------------

A "reforma da previdência social", imposta pelo sistema financeiro internacional, ordenada a Temer que a cumprisse, não ignora apenas características regionais. Ignora características de trabalho: o trabalho físico, em condições agressivas, como em geral o são as experimentadas nas fábricas ou na construção civil, as atividades que se executam ao tempo, o trabalho repetitivo (como nos bancos) ... Em nenhum momento, "reformistas" atentaram, por outro lado para as regras que do mercado de trabalho: o que pode fazer um pedreiro aos 60 anos? e o que o mercado pode oferecer a um executivo de 60 anos? diretores de bancos se aposentam?
--------------------------------------

mais sobre FHC e o nepotismo:
O filho de FHC, Paulo Henrique Cardoso, foi acusado de prática de lobby. O nepotismo do "príncipe dos sociólogos" teve seu capítulo mais deprimente, com seu genro David Zylbersztajn ,nomeado como primeiro diretor-geral da Agência Nacional de Petróleo, assim que esta foi criada, em 1998, e reconduzido ao cargo em 2000. Esse ato de FHC não foi enfatizado pela imprensa e muito menos recebeu a crítica que caberia ser feita. David liderou a quebra do monopólio da Petrobras na exploração do petróleo no Brasil, realizando o primeiro leilão de áreas de exploração aberto à iniciativa privada, nos dias 15 e 16 de junho de 1999.
Sua separação da esposa Ana Beatriz Cardoso, filha do então presidente, em maio de 2001, antecipou sua saída da chefia da ANP. Embora seu mandato lhe garantisse a permanência no cargo até o final de 2005, com a saia justa do descasamento o próprio David Zylbersztajn renunciou em setembro de 2001. O genro que FHC colocou na Agência Nacional do Petróleo. (Não, naturalmente, por nepotismo, mas por mérito, ainda que o mérito, e com ele o emprego, pareça ter acabado junto com o casamento com a filha de FHC.)
Zylbersztajn é, hoje, consultor na área de petróleo. Seus clientes são, essencialmente, empresas estrangeiras interessadas em fazer negócios no Brasil no campo da energia. Algum problema? Não. E vale a pena lembrar e comentar. Isso explica a postura de FHC, pondo-se como cão-de-cego para Jose Serra, acompanhando-o em todos os momentos e lugares. Enfim, é um retrato 3x4 da "máfia do petróleo", a que derrubou Dilma Rousseff e vai se apossando do pré-sal.