quinta-feira, 13 de abril de 2017

A brasilidade da sociedade brasileira

A recuperação social obtida e elogiada pelo mundo pode ser detonada para a satisfação de uma camada de preconceituosos que tem ódio mórbido pelo fato de ter sido promovida por um homem que honrou e foi coerente em sua luta pelo país

Por Maria Fernanda Arruda – do Rio de Janeiro
É de causar  espanto a um frade de pedra a forma de como reage a sociedade, a mídia safada e venal, no ensandecido furor que estamos assistindo por parte do que deveria merecer nome de gratidão ou louvor. O país pode ir ‘à breca’, todos os recursos ou reservas ainda mantidos podem ser entregues ao comando dos EUA.
A recuperação social obtida e elogiada pelo mundo pode ser detonada para a satisfação de uma camada de preconceituosos que tem ódio mórbido pelo fato de ter sido promovida por um homem que honrou e foi coerente em sua luta pelo país…mas tinha origem inusitada de migração e pobreza! É incrível por reunir iletrados e pretensiosos, coxinhas e invejosos.
A mídia paulistana, caudatária de globo que é braço capacho norte-americano, não se dá nem a examinar quando tem ‘fumus’ de uma possibilidade de atacar. Sabe, pérfida como é, e sob togados venais, que lhe basta um desmentido para sanar suas investidas levianas e caluniosas com que o ataca.

Presidenta golpeada

Inimigos políticos derrotados e frustrados levantam campanhas odiosas, em coro, para atingi-lo ainda que dando mais prejuízo a sociedade como fizeram FIESP e seus Skafajestes. Entidades que deveriam primar pela ordem, o Direito e a Lei, como a Policia Federal, se dão ao direito de ser comitê eleitoral para oposição. Com atuações estapafúrdias, logo perdoadas, de terem colocado a imagem da presidenta que o seguiu como alvo em seus exercícios de tiro. Ou tolerar toda sorte de insulto à chefe da nação (e deles). Tal como os fardados que, mesmo sem regeneração de seu golpe de 64, já se colocam à disposição dos novos golpistas pró-EUA.
A trama dos togados, em acompanhamento ao espião norte-americano, juizeco imaturo, chega ao desplante de reunir suas prerrogativas contra o país para, negando que seu perseguido pudesse colaborar com a presidenta golpeada, impedi-lo de compor seu governo. Podemos ver  que todo esse ódio e inveja se dá sobre quem mais trabalhou pelo Brasil e sua sociedade.
As estatísticas dão conta do crescimento do país e seus números. Mais do que isso, ele corrigiu o rumo da dignidade nacional lesada que foi por um cabotino que o antecedeu e bajulava um Clinton com humores ou pendores sexuais. Sem dúvida todo esse movimento tem ativa condução dos EUA, como foi o de 1964, com jogo sujo de compra de fardados e degenerados outros. Mas, por que a sanha em cima do homem que só nos deu progresso e orgulho de ser brasileiros?  Medo?

Mentes sórdidas

Está na redes uma fala do ex-ministro da defesa, jurista que presidiu o STF e que já teve oportunidade de desmentir uma falseta do Gilmar que queria fazer falsa acusação, fictícia, para tisnar a imagem dele. É de ser lida essa fala por ser de quem teve experiências múltiplas desde a elaboração da Constituição até ocupação de ministério, e bagagem de jurista respeitável.
E o país, que nessa jogada vil e inconsequente de tantos jornalixos e  frustrados e invejosos vai sendo dilapidado de seus bens, no arrastão odioso patrocinado pelo inimigo? Ninguém vê? Ou ninguém quer ver?  Como diz o citado ex-ministro, Jobim, todos querem a prisão de Lula, com ou sem fato criminoso. É uma sanha semelhante ao fanatismo religioso que deve ser inspirado pelos demônios que povoam mentes sórdidas – sujas como poeira que se deposita em capachos.


Maria Fernanda Arruda é escritora e ativista digital.