segunda-feira, 8 de maio de 2017

nnn
DELAÇÃO

Delação é ato vil até entre criminosos e isso se indica pelos homicídios dentro dos presídios  em que  tais delatores são 'justiçados' pelos demais sentenciados por infringirem a 'confiabilidade' até nesse meio. É de tal maneira arrasadora ao sentimento de honra que mesmo quando extorquida por meio de torturas levou a suicídio um sacerdote que a fez por não suportar o suplício dos facínoras de 64, repetindo o JUDAS.  Se tal obtenção de delação se faz por coação, tortura ou suplício insuportável, como aceitar como indício de verdade para efeito de, pasmem, JUSTIÇA? Seria jocoso se não implicasse nossa compreensão por ser trágico! Muito pior, quando se tem convicção de que todas são feitas mediante 'minuta' de juiz que as colhe... No plano de moralidade é como se houvesse locupletação criminosa da JUSTIÇA com crime que infama qualquer meliante. É prima ou irmã gêmea de TRAIÇÃO, já que quebra compromete e destrói o valor moral um valor prezado por todos - a solidariedade.  Há limites compreensíveis para suportar dor e sofrimento cujo fim desculpa a entrega física ou psicológica dos que são submetidos. Os valores que entram nesse jogo imundo de delações são secretos, mas todos sabem que incluem ameaças de morte a familiares, crianças, pais e mais laços afetivos às vitimas. É jogo brutal, animalesco, torturante ao qual ninguém pode condenar aos que sucumbem. Há que se verificar o teor do pavor infundido pelos juizes e demais torturadores!  NUNCA poderia ser tal jogo praticado por quem tem dever de dignidade, probidade já que é de natureza que só verdugos e criminosos semelhantes devem ter estômago de predadores para tal ação. MAS a triste realidade de nossos dias é que estamos assistindo um festival de obtensão de delações mediante minuta por parte de juiz e com contemplação carinhosa de todos os seus pares e superiores. ISSO COMO PROCEDIMENTO DA 'JUSTIÇA' e com escusa desculpa de atender MORALIDADE - Pasme-se quem sopesa presença de moralidade na vida!  MAS à parte do vexame verdadeiro que se estabelece nesse espetáculo deprimente, além das náuseas, que sobra a apreciação?  As denuncias com o fito odioso de perseguição pessoal ou capricho ou ordem cumprida a mando de nação imperialista que suborna seus atores, passará em apuração de verdade, se idônea, face a algum juiz íntegro? (pode haver algum). É duvidoso,muito duvidoso, já que parte de falsidade evidente. É como se querer virtude a partir do crime. O QUE SOBRESSAI E FICA AOS OLHOS DE QUEM OBSERVA O TODO é uma indagação que nem sequer motivou alguma resposta devida - COMO A RECEITA FEDERAL, ICONIZADA COMO LEÃO,  NUNCA NEM DESCONFIOU OU NEM QUIS APURAR TANTOS MILHÕES OU BILHÕES QUE SE TRAÇARAM NESSAS NEGOCIAÇÕES E SUBORNOS, COM DEPÓSITOS AQUI E NO EXTERIOR, COM DÓLARES OU EUROS ETC? QUE RECURSOS MATERIAIS E HUMANOS SE ENVOLVEM NESSA 'CEGUEIRA' ou OMISSÃO (ou COMISSÃO)?  E NÃO DESPERTOU IGUAL CURIOSIDADE NA POLICIA FEDERAL ? SOB OS MESMOS MEIOS MATERIAIS E HUMANOS? Não há defesa para crimes desse tamanho? Só para apuração de deslizes de ajuste anual de IR de assalariados de pequena expressão?


PLEONASMO

Pode parecer redundância falar que anão moral pensa pequeno. Mas, infelizmente, é o que se passa. O golpe manipulado e consumado
com a paradoxal contribuição de seres ligados à Justiça, principalmente do STF que protege o Mussolini de Curitiba, fez muito barulho e repetiu o 'parto da montanha' - saiu da vagina togada um anão cujos vagidos revelam um pequeno camundongo.   Qual o rato que ruge, "quer ser o presidente responsável por grandes reformas..." Já sai de pressuposto enganoso por ser 'presidente' pró-forma já que mero usurpador e fantoche, sob consentimento canalha dos manipuladores.  Mas que reformas propõe?  Isso de fazer projeto sob minuta de FIESP e dos EUA para manipulação e escravização não pode ter título de reforma já que é intuito usado e abusado desde a idade média pelos senhores das glebas. Sua pretendida retirada de direitos nas áreas do direito trabalhista e previdenciário são criminosas. Nunca poderiam sequer ser examinadas pelos beócios golpistas por fundamentos de ordem moral. Ferem a Constituição do país e o bom senso.  Seriam, talvez, objeto de um plebiscito, desde se procedesse com honestidade (difícil no quadro de juízes) na informação eleitoral que o organizasse. Nunca, como disse, sob forma unilateral de quem não possui credencial para a propor por ter suspeição de origem, de conduta (traidor+golpista), e de passado de informante dos EUA. A redução de direitos dos trabalhadores, que indubitavelmente os humilhará e lhes reduzirá em suas  perspectivas, seria comparável a historieta do cavalo inglês , que queria provar que podia criar seu animal acostumando-o sem ter comida...até que o matou em sua experiência! Só que na historieta isso se faz com submissão de um ser individual.  Quando se trata de uma coletividade a coisa muda de figura.  Embora reconhecido o grau de desinformação cultural e política da sociedade, estamos na era de crescente meios de comunicação e, comunicação é sem duvida forma de aculturação e educação. É onde prosperam maldades como influência de globo e caudatários, mas há a contrapartida de mais meios de transmissão de ideias e de informação.  Além, pois, da informação dos mais experientes pais e irmãos, haverá a conscientização geral por esse meio. O resultado será inexorável - de lutas e de reivindicação de retorno e ou mais!  O anão está plantando ventos e a tempestade virá! Poderá ele com sua mente de capacho entregar nossas riquezas (pré-sal e outras), tal como já fez o nefasto FHC, mas o espírito cambaleante da sociedade tende a se firmar. E iremos todos lutar por uma dignidade ora desprezada.  O sofrimento que se está causando deverá gerar a sabedoria que nos guiará e daremos ao anão seu lugar na História - de traidor e reles capacho que serviu a propósitos de veias togados que em ação vil se prestaram a servir inimigos do Brasil. Já que a sociedade assiste, pasma, a preguiça dos fardados e mais elementos como os da cultura ou pretensa intelectualidade, caberá a todos os que de fato são os construtores do pais porque trabalham, assumir a luta.






    O BOM CABRITO NÃO BERRA
    Esse é o ditado popular com significação múltipla.  É visto principalmente como conduta de criminosos que pagam pena mas não deletam
    seus companheiros, visto que  delação até entre bandidos é vista como indignidade e tem pena prevista no meio como morte. É condenação unânime face ao conceito que todos tem dos alcaguetes. Mas a linguagem popular também emprega o mesmo ditado como conduta devida a quem tem entrada sob meios escusos em solenidade ou festa, os também chamados de penetras.  No interior, quando havia a chegada de circo-de-cavalinhos, como se apelidavam os Circos, era comum ver o grupo de moleques e até uns não tão jovens com a intenção de ter entrada gratuita ou como se conhecia, por baixo do pano.  Literalmente havia mesmo um ou uns e outros que se arriscavam a enganar guardas e conseguiam adentrar sob a lona e ficar entre os assistentes da arquibancada. E para isso se tinha a regra - de que o bom cabrito não berra. Era para não despertar a atenção dos vigilantes que poderiam identificar o penetra, expulsá-lo e mesmo corrigir o defeito da montagem da estrutura que permitiu a invasão. Mas parece que tudo se inverteu... estamos assistindo no picadeiro nacional a lamentável exibição de um penetra que chegou por baixo do pano, com ajuda de malandros vestidos de zorro que pela mesma indumentária ficam como gatos à noite- todos iguais. Só que o penetra ao invés de ficar quieto para permanecer sem chamar a atenção, com a incontinência de tolo, pôs suas manguinhas de fora. Poderia ser tolerado se tivesse bom comportamento junto ao grupo, mas sua vaidade de 'sem noção' o faz chamar a si todos os olhos de reprovação. Como se tivesse pago o devido ingresso, deu para bajular o dono do circo e se oferecer para punir outros bandidos de rodas da malandragem que disse conhecer bem. Ainda pôs-se a mostrar que as meias das vedetes estavam velhas e querendo que ficassem de pernas nuas e implicar com os que dão duro no transporte e montagem da lona e trapézios. Enfim mexendo com todos os que tinham paz e trabalhavam. É como se quisesse se vingar de quem conduz a vida de forma correta. Quis sob a proteção do dono do circo perturbar a todos, só não ousou bulir com o amestrador de feras por 'temer' as armas e o uniforme enfeitado que usava. Pensando que que estava se realizando com sua tola pretensão açulou as vaias gerais de arquibancadas e até das 'cadeiras'. Se organizou movimento de repudio. Esse penetra que estava contando com a proteção de bandidos que queriam destruir o circo e que ele conhecia desde os tempos que lhes passava inconfidências sociais, está agora se vendo em palpos de aranha por ter ficado mal com todos. Só não sente o ridículo em que está pela incapacidade senil que lhe turva a percepção. Pobre bandido temerato.
    nnn
    DA PRETENSÃO IGNÓBIL ou RETORNO DOS 'SNOBS'
    Quando da proclamação da República os mentores intelectuais, que se acomodavam às postulações do positivismo, fizeram a devida abolição dos títulos de 'nobreza' - que ajudavam os cofres reais com exploração de vaidades dos novos ricos. De Duques a Barões, só sobrou algum 'coronel' da chamada guarda nacional.  A nobreza anterior, comprada a dinheiro, imitava os hábitos de realeza inglesa e era adaptada aos bugres aculturados de Pindorama. Mas tinham, como de praxe, os poderes fundiários e sua correspondente reserva nos cofres bancários. Foi um baque já que se seguiu a recente abolição da escravatura que consagrava o espírito e vaidades dos senhoriais ricos, ainda que bárbaros no que tange a intelectualidade. Eram tipicamente penetras esnobes que despertavam os risos sardônicos na esfera internacional mas supria vaidades caipiras de pajés das tribos.  Mas quis, alguma influência atávica, despertar as fantasias dos atuais togados de que isso sim era uma organização que lhes conferia valor 'devido', e sob o covarde uso de suas próprias funções, criaram um tipo de 'ritornello' à antiga canção. Criaram, aos poucos, as condições de instituir sua 'nobreza'. Com uso da faca passaram a dividir o queijo a seu talante.  Uma lei especificando normas exclusivas de direitos e benesses (loman), isenção de culpas aos crimes que cometam, e isenção de punições às delinquências. Quase como os senhores da gleba que se viam com direitos divinos. Com uso de retórica escandalosamente maliciosa deduziram direito a se auto outorgar aumentos salariais e outras indecentes benesses como direito a receber para morar, para ler, para que seus filhos lessem ou estudassem, além de safado nepotismo direto ou cruzado - tal como DIREITOS DE NOBREZA. O escárnio que se fez em relação aos demais servidores públicos os fez manter como secretos os bens que se davam de uso de férias em dobro ou triplo, de indenizações por compras de 'cigarro, pastel e até pé de moleque' e para isso se deram clubes exclusivos e direitos a viagens 'de interesse cultural' desde que em terras aprazíveis aos familiares ou que lhes permitisse compras de paletós e gravatas nos brechós de Miami. Só que o interesse material satisfeito ora lhes pôs o comichão de pretender mais. Se são detentores de divindade, por que não a exercer em sua inteireza? E, com espírito corporativo, ingressaram de corpo e alma no caminho do poder absoluto. A primeira batalha, com uso de facínoras conhecido, venceram de goleada - tiraram do poder a presidenta legítima que resistia aos seus projetos. Foi fácil colocar um fantoche submisso que sabe dos próprios crimes e 'temeroso' do poder de quem o pode condenar.  Agora se sentem todos com liberdade de agir a favor ou contra qualquer partido, e isenção ou decência que vão às favas.  Se provocados abrem mais uma ou duas lava-jatos com ampla cobertura da mídia irmã de safadeza e farão todos comparecerem em fila para beijar as mãos deificadas - como se fosse a punição dada aos portugueses para redimir perfil de Inês de Castro.  Afinal punir empresários ricos pode ser o filão que até piratas historicamente procuraram, tanto que os probos da equipe do musso já lançaram a ideia de que poderiam ter direito ao percentual significativo dos valores que se obtivessem....Ainda mais quando os procuradores estão se aboletando na exploração de seu território de benesses. O "melhor" da nobreza não eram virtudes ou educação porque isso demanda tempo a conseguir, ainda mais que os rebentos colocados via nepotismo têm pressa, então vale muito ter meios, meios abundantes, e que não sejam só os de vendas de sentenças que pode ser delatado por descuido. Tem de haver poder fixo que dê o que a república retirou sob veleidades de alguns idealistas profanos.  se uma carteira de juiz serve para prender e esfolar, quem irá contestar sua divindade?E assim a história se repete, vão de vento em popa os pajés das tribos,novamente exibir suas gordas panças,mundo afora. Riam-se todos mas todo dinheiro estará em seus bolsos.
    nnn
    QUEM MANDA NO BRASIL ?
    Ao assistirmos ao festival de estupidez que grassa no país há 3 anos fica uma dúvida - a quem interessa essa saga vergonhosa que se compara ao incêndio de Roma? Estava o Brasil em fase quase inusitada de progresso social com mais de uma década de paz urbana e rural, sem greves, com índices de desemprego mais baixos da História, progresso material em todas as classes...E, nisso começa um vil campanha contra a ascensão social de camadas antes desassistidas. Crítica de uso de transporte aéreo ou acesso a ensino universitário como se causasse aleijão aos coxinhas da FIESP. Com uso criminoso de verbas do sistema S, criaram com marqueteiros, serie de atos de vandalismo para chamar a atenção e fazer jogo dos capitalistas. Voltaram-se contra impostos quem nem eram novos e que nem pagavam. Com apoio de grande parte da mídia desonesta passaram a manipular o golpe contra a democracia.  Iniciou-se com uma caricata comédia em que protagonistas eram (pasmem-se todos) ministros do STF. Deixaram processo antigo engavetado e colocaram em pauta outro que poderia atingir o partido que elegeu o governo. O candidato derrotado fez o papel de criança birrenta como sinal que seria senha para apoios de toda a canalha oposicionista (FHC, ministros do STF e outros, além de políticos venais como esses). O julgamento patrocinado e montado por TV  até em penteados e maquilagem de togados ridículos não conseguiu êxito, mesmo com uso de desonestidade total dos togados, e o governo continuou. Puseram, então, em função um juiz com formação feita especialmente nos EUA para sabotar as bases estruturais e empresariais. Com a falácia de recuperação moral, se iniciou uma destruição em que 5% de valor foi obtido contra uma demolição formidável. Nunca antes se viu conjuração de juiz+procuradores+policia que, ao arrepio de suas funções e independência tratassem de causa politica evidente. Tinha recado claro - o Brasil tinha de ceder a exploração do pré-sal - e articuladamente, senador mais golpistas cuidaram disso. Nessa onda de destruição muito mais foi feito. Permitiram que os EUA que dava patrocínio entrasse nas esferas de estudos sobre energia nuclear, de projeto de submarino e outras que os golpista sonegam (quem manda no Brasil?). Um dos pontos nevrálgicos e vergonhosos a que a sociedade ficou enganada se deu com o sequestro de um dos poucos cientistas de renome internacional e que desenvolvia estudos pelo pais para domínio de enriquecimento de urânio e mais meios. Sabe-se por viés clandestino que estava na iminência de mostrar a obtenção de  energia elétrica a partir de queda d'água de baixa altura e que poderia dar ao país relevante progresso, mercê de sua rede hídrica e grande território e carência... Tal sequestro sob motivação de possível recebimento´de valor por conta de serviço, além de mal explicado motivou sua prisão e prejuízo ao país de forma burra. Que fica ridícula perante a História quando se viu que países que ganharam a segunda guerra deram especial acolhida aos cientistas que haviam trabalhado e dado armas ao inimigo que os destruía. Afinal a quem se queria punir no sequestro de um cérebro ? Mas a sequencia do governo fantoche colocado pelas togas imundas vem dando o recado:  permitir compra sem limite de extensão das terras nacionais como se o país fosse a leilão; entrada de escritório técnico do exercito americano a influir  em nossa politica; 'convite' a que o mesmo exercito venha reconhecer terreno da amazônia (que é uma de suas cobiças imperialistas) como se fosse desvendamento dos detalhes que lhes faltavam para também se apossar, como do pré-sal e da indústria aeronáutica. Nossas forças armadas 'heroicas', estão como congeladas e sob ordens como em 1964.  Tudo ficou como como se os 'vivos' golpistas  tivessem se aliado ao invasor para obtenção de  vantagens financeiras, já que cedem pacificamente o país -capitulado e inerme - ao invasor. como na esfera política não houve a civilização do domínio, constando a fantasia de ser país autônomo/independente, a falácia que existe, nos remete à pergunta :
     QUEM MANDA NO BRASIL ?

    É O CÚMULO
    Tudo indica estarmos nos deparando com uma encruzilhada. Vemos um caminho em que pontifica um togado imaturo, que age com extrema covardia usando suas prerrogativas funcionais como força de coação e obtendo dos subjugados mais meios, ainda que falaciosos, a dar curso ao seu ódio pessoal, mais forte do que político, a um ex-presidente a quem inveja por o ver acima dos horizontes a que possa chegar. Essa mágoa é insuportável. Pouco lhe importa que em sua sanha de perseguição tenha tido desastres que destruíram parte da economia do país e posto obstáculos ao seu crescimento futuro com alienação de indústrias e até cerceamento de ação de um dos poucos cérebros nacionais, que já nos dera impulso no campo de energia nuclear. Afinal em sua formação - feita nos EUA sob auspícios de CIA, o fito era esse mesmo! Ser visto como TRAIDOR, pouco lhe importa já que goza de meios abundantes de moedas nacionais e estrangeiras, de obtenção próprias ou de colaboração uxória. De outro lado, temos em vista o reconhecimento a um ex-presidente que teve após seus mandatos uma consagração universal por seu descortino e empenho em dar equilíbrio social, possível, ao país. Quase antagônicos em suas formações, um nascido e criado com fortuna, e outro que nasceu e cresceu em luta. Mas a vida no seu enquadramento fez do pobre o "cara", como cognominado por esferas poderosas do mundo. Que em suas administração do país deu uma década de paz social e crescimento material a todos os brasileiros. Bem diferente do outro, que tem as armas com seu uso covarde de por não honrar sua função. Entre os dois, pois, "o coração dos brasileiros balança"como se diria em Cyrano de Bergerac.  É de se ver que traidor ou odioso ou covarde, o lado que tem essa força e a tem por cessão de gente poderosa. São os empresários (fiesp) que representam o neocapitalismo que os EUA querem ver aqui e não economizam meios para essa campanha e que já provaram em 64, que são capazes de usar todas as fardas nacionais como reles serviçais. Enquanto a outra senda tem apenas o reconhecimento pela ideologia de paz social, de crescimento e igualdade social. Seria o cúmulo aos olhos isentos do mundo que tal disparidade se dê, e mais, com a cumplicidade dos 'eruditos' togados que não cessam de participar de conferências e tertúlias internacionais de pregação das virtudes  de uma justiça e valores éticos. MAS É ASSIM. EMBORA O PAÍS DESPENDA RECURSOS PARA TAIS CURSOS INTERNACIONAIS, O RESULTADO É PÍFIO.  SÃO CAPAZES DE REPETIR ALGARAVIAS SOBRE DOUTRINA, MAS COMO SE NÃO ENTENDESSEM O QUE FALAM, NEM SE INCOMODAM COM O TAL SERVIDOR, CALOURO NA FUNÇÃO, QUE SE DESMANDA E CONSPURCA O DIREITO COMO SE FOSSE MAIS IMPORTANTE CUMPRIR MISSÃO DA CIA DO QUE HONRAR SUA PÁTRIA.
    8\05\17
    Corrupção a Brasileira:
    Os registros da literatura, implacáveis, mostram a gemelaridade dos brasileiros com a corrupção. A já famosa carta de Pero Vaz Caminha em que o escriba 'se vale da oportunidade' para pedir emprego a parente é apenas um indício do espírito prático que vicejaria nas terras descobertas. Nem o Zé Colmeia, dito o mais esperto do ursos, ganharia dos nacionais médios e perderia de goleada dos políticos todos. Políticos, no caso de togados, fardados, engravatados e demais degenerados. Por vantagem material vendem tudo! Também aqueles que oferecem garotas brasileiras para estrangeiros, todos se dispõem a ganhar algum sem escrúpulos de ordem qualquer. Juízes que deveriam zelar pela condição moral da sociedade tomam a dianteira se locupletando por meio de interpretação maliciosa de uma adrede preparada 'loman' que, industriada, propicia-lhes ganhos impróprios e imorais. Os que se elegem para cuidar do bem comum pensam da mesma forma, isto é, primeiro eu e os meus! Ficou conhecido o golpe mesquinho de um Duque que usava os óbitos na guerra do Paraguai para engordar sua fortuna e cuja expertise se segue até nossos dias. Legisladores se dão de forma desavergonhada vantagens semelhantes a dos juízes. Procuradores do MP, idem. Sobraria alguém? Empresários criativos sob manipulação de encíclicas papais (Rerum Novarum+Quadragésimo Ano), obtiveram a criação do Sistema S, cuja rica fonte de meios sustenta suas federações (FIESP, etc) com o nosso dinheiro e que usam imediatamente para propósitos políticos/partidários sem qualquer restrição de MP, Justiça etc. Essa é a realidade. Mas até esse viés corrupto se presta para uso dos vivos e poderosos dominadores do mundo - os EUA. Com sua perspicácia e com a indignidade nacional brasileiro, da mesma forma como antes formavam as mentes de militares do chamado Estado Maior (1964) para os usarem em seu golpe, agora convocaram togados para curso de sabotagem ao pais. Como é da cultura enraizada desde o início, não seria um formação medíocre e meramente formal de escola de Direito que iria transformar 'vivo' em patriota. E, daí, ora vemos um dos togados que recebe o dobro ou triplo do seu salário legal, dando aulas midiática e censurando corrupção alheia. Nem se deu ao trabalho de explicar sua conduta em trapalhada milionária de nome BANESTADO que envolveu ladrões de alto coturno. E se faz tão gritante o absurdo de ter raposa tomando conta do galinheiro que os demais frangotes já estão levantando a voz e os chamando de moleques. O absurdo, porém, é o rol de consequências dessa marota intervenção estrangeira com aproveitamento da fraqueza de caráter dos brasileiros. Já estamos assistindo o esboroar da democracia ainda em juventude e a transformação do que deveria seu uma república em Gleba sob controle americano com uso dos capachos togados postos como 'suseranos'. Triste final de sonho de uma pátria que tinha tudo para ser grande entre os grandes e que se fez pequena por venalidade e corrupção de seus gerentes e povo cordato.