quinta-feira, 29 de junho de 2017




Das linguagens chulas, populares e folclóricas:

Quando nossos cultos togados se expressam: 'querer' ao invés de quiser, ou 'interviu' como interveio, observando a observância... fica quase hipócrita a pretensão de uso da forma culta, como chamam "especialistas" em dizer que conhecem o 'português',assim como a presidenta dos togados. Nosso país está se tornando cada dia mais incomum em suas revelações hodiernas. Aqui, vendo as surpreendentes ações dos poderosos a nos brindar com coisas que se dizia "do arco da velha"... Vê-se, que na hierarquia social começa pelos mais altos a exibição dos criminosos. Togados, os mais aquinhoados em salários, que para sua garantia se fixa como limite na Constituição, furtam o erário com a displicência de gatunos de feira. Um mapa publicado diz que a média nacional dessa gatunagem é de 76% em todo o país. Os demais , ditos fiscais da lei (promotores) os acompanham em toda a linha. Os conselheiros de tribunais de contas se passaram a magistrados e também entraram no mesmo pacote. Legisladores não se vexam em se enfeitar com auxílios de mesma natureza - fora os ganhos pela venda de votos, que os faz comparáveis a juízes com vendas de sentenças... E, assim, 'la nave vá'...Os militares, por conta das armas que guardam têm respeito de ministros covardes para serem excluídos de regras gerais de previdência e nem se sabe a quantos anda seu código de vencimentos (CVV) aquele que os diferenciou desde abril de 1964. Então, todos podem dormir quentinhos em qualquer inverno.
Assim perguntava um entrevistador à um garoto que morava em barraco de zinco, numa favela: -Como você se defende do frio em inverno rigoroso? - E dizia o garoto: - lá em casa temos uma cama só, e todos dormem juntos; minha avó, minha mãe, meu pai e meus irmãos também...e, assim, todos dormimos quentinhos, quentinhos.

Maria Fernanda Arruda, escritora e ativista digital



nnn PATRIOTISMO E OUTROS VIESES

Em São Paulo há ruas com denominação sugestiva como Voluntários da Pátria, ou outra Dos patriotas, que nos fazem pensar em tempos em que já houve algum espírito de amor e respeito ao país. Fica estranho aos viventes atuais que não ultrapassem os 60 ou 70 anos ver tal sensação como atuando na sociedade. Desde o retorno dos 'pracinhas' que foram auxiliar a campanha dos 'aliados' na segunda guerra, já não se viu nada parecido. Exceto o lado indicador de ausência de guerras, nada de rompantes em defesa do país, da forma democrática que pensamos ter em nossa organização política e nem mesmo em defesa do molde republicano que consta ser o do Brasil. Se golpes  se sucedem, uns sob embalo e vigilância dos militares como o que levou Getúlio ao suicídio, outros foram como missa de corpo presente, em que sob ordens dos EUA um general PETAIN, aqui alcunhado de Castelo, assumiu a invasão e obrigação de fazer o que queriam os ianques. E durou...durou, mais de 20 anos para largarem a rapadura, digo ditadura. Mas a largaram sem ter o pudor de nos entregar a inteireza do país - deixaram sob controle dos invasores a que obedeciam, todo o controle da mídia a que sentiam como arma exclusiva e ficaria como marco de ocupação. Mal devolvido o país sob frangalhos de divida e intervenção de FMI já se começou nova conjuração. Na mesma fiesp que portava dólares para comprar heroicos generais, se reuniam os insurretos fardados e civis para o seguinte motim. TUDO FÁCIL. ESTÁ LONGE O TEMPO EM QUE LEIS ERAM SEVERAS A TRAIDORES E AMOTINADOS. Nem a lei da chibata é sequer lembrada de ter existido. Com o 'know how' de saber os que os EUA querem sempre, foi fácil obter seu patrocínio. Só o pre-sal já seria a isca. Mas com os novos tempos, mais faixas sociais queriam ter participação no 'butim'. Togados estavam 'vivos' nessa jogada, os legisladores, mais baratos, mas não abriam mão de seu dote. O jeito foi fazer em escalas. Primeiro o golpe de impedimento da presidente. Com todos a favor quem iria protegê-la? Diz a lei que ela seria a "comandante em chefe"e disporia de defesa da forças armadas como se fosse o país ou seu território. Mas os bravos fardados comodamente achavam que a 'coisa' era com a digníssima senhora dona Dilma Vânia, porque ninguém lhes disse que após a proclamação dos resultados eleitorais essa senhora era, por lei, a PRESIDENTA DO PAIS.  Nessa doce ignorância ficaram como avestruzes, com suas cabeças enterradas enquanto os prepostos dos EUA promoviam vaias, apupos e xingamentos à presidência que era sua "comandante". Nem seus serviços ditos de inteligência inteligiu ou cuidou de defender os votos e vontade dos eleitores ou a democracia...preferiram ensaiar desfile festivo próximo para mostrar seu VALOR e BRAVURA. Vão longe os tempos dos PATRIOTAS e VOLUNTÁRIOS DA PÁTRIA. Um 'grampo' telefônico da policia detectou conversa entre os golpistas que dizia estar 'tudo combinado' desde o STF até os comandos militares... e NINGUÉM VIU DESMENTIDO AOS ILUSTRES DEPUTADOS QUE URDIAM O GOLPE COM ESSE DIÁLOGO... DEU-SE O QUE VEMOS - Colocaram um homúnculo vaidoso e servil para 'inglês ver' e aos poucos entregam o país à sanha dos invasores. Adeus a nosso pré-sal, estudos sobre energia nuclear, ou mesmo domínio sobre reservas minerais e florestais já que esta tudo incluído no pacote oferecido aos senhores deles - os mesmos a que se renderam com covardia em 1964. "longe vá temor servil...ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil" QUANTA IRONIA !!!
29\06\2017

CURIOSIDADES BÉLICAS

Quem não observa a evolução dos fatos acaba vítima deles.
 Os campônios da China relutaram em aceitar os alertas do governo sobre a invasão do Japão na guerra e pagaram por isso. Hoje precisamos deduzir e observar a evolução das guerras e conquistas. Como se fosse uma 'curva de Gauss' (é o meio estatístico de registrar a evolução de um processo), estamos voltando às origens da espécie. Sem aprofundamento na matéria, sabemos que desde o reino animal as lideranças se impõem como se fosse "no grito', isto é, o mais forte exibe seu rugido ou seu porte de força e domina o rebanho ou as fêmeas. Na evolução social, a China deu sua contribuição com a invenção da pólvora e redimensionou o confronto de forças. Catapultas e depois canhões substituíram falanges oblíquas, armas outras vieram e a aviação e bombas completaram esse quadro até o século passado.  Mas a roda viva, em seu giro, mudou o viés em parte. Ainda haverá, por pressão econômica e politica a duração da industria bélica, mas aos poucos vemos a dita curva de Gauss se chegado ao ponto de origem - estamos voltando ao zero!  Hoje já registramos a incongruência ou inconsequência de alguns procedimentos tradicionais. Ainda que no Oriente os EUA (sempre eles), estejam despejando suas bombas tradicionais, vemos que como laboratório, estão usando técnica mais barata, rápida e eficaz para dominar povos e países.  Basta a nós a verificação de que pouco se dá em termos de eficacia de defesa, o patrulhamento de fronteiras se a dominação se faz dentro do Palácio da Alvorada ou do Congresso ou do STF.  - Nenhum tiro ou bomba!  Apenas ordens em voz moderada ou mesmo por telefone ou por recado de embaixador.  Já testaram esse meio de dominação em 1964, colocando em prática sua observação do êxito que teve a tropa de Hitler na França de Petain.  Basta localizar os servis a que lá davam nome de colaboracionistas, ou aos que aqui se denominam 'capachos'.  E parecem crianças disputando balas em distribuição de festa...e há  aos montes, fardados, togados e enfeitados  desejosos de atender a "master voice"- tal como servos da gleba a oferecer até a "jus primae noctis" aos senhores,  em vassalagem total. Se em 1964 tiveram o êxito que se viu e exerceram por mais de 20 anos suas prerrogativas senhoriais, agora diante da novidade do pre-sal, que lhes foi grata surpresa, mais uma vez estão presentes e dominando tudo! E, no grito, como se quadrúmanos  fôssemos e submissos como nossos ancestrais  (segundo Darwin). 
Para que incomodariam seus 'marines' e movimentariam naves se via oral obtém o mesmo efeito? Podemos nos orgulhar do pioneirismo em ser dominados 'no grito' . Então daremos lição de como entregar tudo, não só o objetivo inicial, mas tudo! Minérios, florestas e, de sobra, o governo (com substituição de titulares, se exigido), o poder legislativo e o fundamental, o Judicial. Até poderemos esclarecer que mandamos antecipadamente um aprendiz togado para cursar na CIA/FBI, e partir daí para destruição de empresas e mais planos que incomodavam aos senhores.
29\06\2017

DISSIMULAÇÕES

Há anos li e guardei uma frase atribuída a Machado de Assis, cuja memória considero enxovalhada em vista dos almofadinhas  colocados na ABL.  Dizia: 'dissimulação é um dever quando a sinceridade é um perigo'... à parte a compreensão que se impõe no trato urbano de situações delicadas, encerra desculpa para falácias sem número.
 A que mais me atormenta a consciência é a da situação do Brasil - entre verdades e mentiras que povoam o conhecimento da sociedade. A mim parece que há mentores como mestres maçônicos, ou religiosos ou diabólicos que a tudo dominam e fazem para a  simulação máxima de enganação coletiva. Parecemos todos como quem não quer ser esclarecido sobre Papai Noel ou Coelhinho da Páscoa. Ficamos como quem não só quer acreditar como tem ódio de quem o acorda de sua ilusão. Essa cisma vem desde o fatídico primeiro de abril de 1964. Quem adivinharia o que foi pactuado entre o mister Lincoln Gordon e os ultra medalhados  heroicos e intrépidos generais/marechais brasileiros,  e que gerou o regime de chumbo que representou a calamidade que vivemos até hoje?  A dissimulação que se seguiu todos sabemos. Começou por denominar de 'revolução' a capitulação cedida sem um grito sequer com que nossos heroicos defensores foram estuprados e perderam a pouca honra que proclamavam ter. Houve, a seguir, a apropriação de fatos contrários como desculpas 'a favor'. Vieram a público versões de que os EUA haviam mandado sua força chamada big brother para apoio aos 'puros fardados que queriam nos salvar do comunismo' ao invés de dizer que tal operação bélica tinha caráter intimidatório do tipo : DÁ OU DESCE... E que simplesmente descemos! 
Hoje podemos ver o desvendar desse segredo.  Deve ter sido o dia em que nosso país desceu ao vil inferno do opróbrio e aceitou usar em caráter definitivo as ora conhecidas tornozeleiras.   Passou a usar e a respeitar todo o regulamento de seu uso. 
Qual sentenciados da lava-jato, foi posto em seus redutos com piscinas e lareiras para conforto dos cansados fardados, mas sem direito de ter qualquer ato de vontade que não fosse previamente concedido pelo senhor das chaves e algemas colocadas. Foi concedida, nesse enredo, eleição para 'inglês ver' de fantoches controlados, desde Sarney's até FHC.  Num lapso de descuido, eis que o povo, ignorante das regras, elege LULA! Foi dose forte. Mas resolveram experimentar o veneno para sentir o gosto. Não gostaram, mas a conveniência de dissimular, mais uma vez fez com que suportassem a altivez do ingênuo que pensava ter voz e independência. Impondo-se ao colocar o país na regra da tornozeleira. Preparou a substituição da sua sucessora. Na eleição, a pífia figura do Néscio não vingou mesmo se promovendo ajuda de Marina e matando Dudu. Mas paciência é finita! O jeito foi quebrar as correntes legais que sustentavam Dilma. E isso custou barato. Com um  togado sob ordens da CIA/FBI, e preparação condigna de sabotador para iniciar destruição de empresas, levantaram a fumaça como indígenas convocam guerra em Hollywood e os probos do STF cronometraram sua ação para o golpe fulminante. Novo fantoche sob fala do ventríloquo Tio Sam voltou ao domínio. E como multa pelo desvio da 'era Lula' confiscaram o pré-sal além de impor duras penas aos arroubos de haver estudos de energia nuclear e outras, e para dissipar dúvidas prenderam o almirante Othon como se fosse um Mandela de turno. Nosso Brasil, que já foi chamado de país do futuro, de país do carnaval, de pátria de chuteiras, ora se põe como 'país de tornozeleiras'. Quem as inventou, afinal? 
É dúvida para os intelectuais que nada veem de nossa realidade e ficarem a pensar juntamente com os skafajestes da fiesp ,ou será atribuída a quem inventou a roda ou descobriu o fogo e todos confortavelmente enganados dormirão o sono dos puros?


por Maria Fernanda Arruda, escritora e ativista digital
 13\06

nem tudo está perdido

Como se ainda tivéssemos a posse de uma Caixa de Pandora, resta-nos a Esperança. A única que sobrou após o desastre do golpe desferido pelo STF+Pulhas Capachos (que incluem legisladores e aderentes da fiesp dos skafajestes). Aos que conseguem manter a fé mesmo sob as águas fétidas da política gerada pelos golpistas - o que se deve louvar - seria um recomeço medir as palavras do senador e ex-governador do Paraná. Embora fosse político do Estado que ora nos castiga por seus rebentos irresponsáveis, nem sempre foi assim... Tal como o próprio PMDB, ex MDB, já teve sua presença honrosa em nossa política. A ninguém pode escapar a visão do que foi Ulisses Guimarães. o maior paladino da luta contra a vergonha que fizeram os militares sujeitando-se a capachos dos EUA. Seria uma heresia tecer comparação dele, professor de Direito Constitucional, com o ilegitimo que se proclama como também o sendo. Enquanto aquele deu brilho e aplicação, o ilegitimo, falando o idioma popular, 'gagou e sentou em cima' do pouco que pode saber em qualquer viés dessa matéria. Foi o partido que teve a hombridade de se contrapor à tirania dos beócios vendidos e esse registro é devido. Se hoje virou um ninho de ratos deve ser por incúria de tipos como o próprio ilegitimo que está em seu comando. E, pois, vem como esperança ou lume a nos indicar novo caminho a presença e palavras do senador paranense que em notável oração propõe - com argumentos que esclarecem e tornam indesmentíveis os fatos atuais "O senador Roberto Requião conclamou partidos políticos e movimentos sociais a construirem um projeto nacional de poder, para tirar de vez o pais da crise. O senador foi um dos oradores no seminário “Estado de Direito ou Estado de Exceção”, realizado na Universidade de Brasília, nesta segunda-feira (29/5). Este é, assim, um convite a que todos leiam o discurso (há no google). Já não temos muito de onde esperar quando registramos a patifaria coletiva de nossas fardas e togas e mais representações, convertidas a coxinhas americanoides. Como diria Augusto dos Anjos, "se a alguém causa inda pena a tua chaga, apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija"...MAS AO MENOS PENSEMOS EM RECONSTRUIR O BRASIL QUE DEVE SER MAIOR A NÓS DO QUE OS PULHAS QUE ORA O ENXOVALHAM. NÃO PODEMOS CONTAR COM GOLPISTAS DE QUALQUER INDUMENTÁRIA,  CONTAMOS SOMENTE CONOSCO MESMOS.

nnn12\06
MUTATIS MUTANDIS
Mudando pequenos detalhes podemos situar a condição social brasileira à que se deu na França em 1940. Sob domínio da invasão alemã, a sociedade se mostrou aturdida e manietada já que seus meios de defesa estavam rendidos aos invasores. Mas, como sempre, apareceu um 'vivo' entre os capachos que entrou em negociação. Tal Petain até tinha alguma reputação de ser legitimo patriota, mas era dos que perdem o pelo mas não oportunidade. E fez o honroso/horroroso acordo com os invasores com agrados mil,pagando suas despesas pela invasão e se prestando a ser serviçal por qualquer desejos que tivessem. Tal como aqui, a sociedade se viu dividida. Os 'vivos', muitos já se dispuseram a ser colaboracionistas visando natural ascensão sob o poder que deprimia o país.  Não faltaram prefeitos de comunas, politicos padrão psdb/pmdb e demais mercenários tipo fiesp a aderir. O fito era o lucro...pátria? o que seria isso? Instalou-se assim a dupla face social - vizinhos que se cumprimentavam mas sentindo nojo interno por saber que era colaboracionista, ou o cunhado que forçava sua irmã a ser discreta ou fingida para esconder as vantagens que colhia em ser coxinha. A dignidade e sentimento de pátria se esgarçou e só quem tinha vergonha o manteve... TAL E QUAL COMO ESTAMOS VIVENDO NESTE BRASIL SOB INVASÃO !  Aqui também, em sã consciência não poderíamos esperar atitude de valor do STF que já mostrara sua covardia na invasão de 1964 e sua índole de acomodação mediante salários, principalmente fermentados. E estamos vendo sua cumplicidade aos desejos do invasor. Quis este que um sabotador preparado em suas escolas fosse mantido apesar de incorrer em destruição de leis e tradições, para abrir caminho ao seu domínio de pre-sal e outras prendas que cobiçava. Por dinheiro, togados todos se fizeram regidos pela batuta indicada pela globo (sempre estafeta dos EUA), que foi entregue ao JB para reger a abertura e logo mais entregou a direção ao 'spalla' que já era moldado como servil. Este tendo a tradição de ser aliado e nomeado por fhc,  tinha confiança 'juris tantum'. E TODOS, A PARTIR DISSO, PASSARAM A MOLDAR OS INTERESSES DOS INVASORES SOB SUA MINUTA - Os fardados já mandaram abrir picadas na amazônia para que examinassem sua nova conquista, fizeram juramento de abandonar estudos de energia nuclear e até ofereceram a base de Alcântara e sede para exercício de sua ocupação nas capitais importantes. E OS DEMAIS BRASILEIROS QUE, SEM APEGO A ESSA CULTURA DE SUBMISSÃO, FICARAM INDEFESOS, MANIETADOS?  Deveriam despir-se de sua dignidade e aderir? Sem dúvida que a alguns isso veio à mente. Os demais ainda estão vivendo o sonho romântico de ser resistência. É uma luta íntima e social, pois não faltam dissuasores a mostrar que os 'maquis' da França contavam com meios fornecidos pela corretagem de De Gaulle enquanto aqui...ficamos todos no salve-se quem puder!  Ao se ver que fardados reforçaram sua adesão de 64, que togados venderam sentenças e almas, que empresários que já eram do clã do heróico general Kruel, só sobrou a resignação e a filosofia que mais vale morrer de pé do que viver ajoelhado... POBRE POVO BRASILEIRO QUE QUER SE MANTER DIGNO.  O PAÍS MINADO PELA PELA AÇÃO CORROSIVA DE UMA MIDIA INFAME, SOFREU O DESMONTE DE AMPARO DE SINDICATOS COMO CAMINHO PARA A DESTRUIÇÃO DA CLT EM CURSO (TUDO DENTRO DO PROGRAMA DO INVASOR), ORA SE PREPARA PARA SER SERVO DA GLEBA COMO SE FOSSE RETORNO AO MEDIEVALISMO.  ONDE SE ESCONDE O TAL DEUS DITO BRASILEIRO ??

nnn10\06

DA CULTURA DO GOLPISMO NACIONAL
No golpe judicial-parlamentar de 2016, se viu um estigma que parece a sabedoria da voz popular. Diz ela que para variar... até para pior! E não deu outra. Estávamos em velocidade de cruzeiro decorrente de ascensão econômica  ímpar em que nosso país chegava a sexta posição no ranking das economias mundiais, com dívidas do FMI quitadas e invertidas com empréstimos nossos ao fundo. Com recuperação quase total do parque industrial demolido pelo inepto e subserviente fhc, com recuperação admirada internacionalmente  de vastas camadas sociais sempre desprezadas e com índices de quase pleno emprego.  Talvez esses números tenham ajudado a despertar a sanha dos entreguistas tipo serra que já negociara o pré-sal desde sua campanha derrotada em outra fase. Ajudados com os patifes que se mostraram em 1964 adeptos de bandeira americana mais do que da nossa - empresários cooptados pelos skafajestes que mantém íntima ligação com fardas (vide a compra do heróico Kruel), fizeram sua parceria com togados. Dinheiro como bem disse o paulinho, sócio do juiz, havia até de sobra para o golpe. A visão de proveito futuro sempre embeveceu novo ricos sem caráter. E foi a vez de se abrir a cortina do mundo togado. Era um mundo enrustido em que como pacto de defesa mútua se praticava o silêncio para não expor suas benesses e ganhos obtidos à sorrelfa - via loman.  Mas dinheiro converte até santo do pau oco. Aos que mostravam alguma resiliência se pregou que era pela moralização e criaram um manequim de massa podre colocado em Curitiba para essa personificação. Nem se deram ao trabalho de uma higiene no tipo (que seria inovadora, já que nunca houve isso dentro da laia). Com esse motivo despertaram sebosos ministros togados como se estivessem sendo chamados a corrigir males.  Nem perceberam que os males que tinham em suas vidas eram maiores, muito maiores, do que os dos bandidos que queriam corrigir. Se já se locupletavam com super salários fermentados por ajudas, diárias, venda de ferias, folgas e férias em dobro, ou triplo, viagens sem fins, como se de estudos, e de mais escabrosos negócios via nepotismo que lhes daria impulso de clã a cada filhote-gênio...como se disfarçar a criminalidade e culpa para assumir papel de santo? O jeito foi assumir o papel canalha - legitimo - de quem sempre usou a função para obter vantagens. Tal como dar habeas corpus a bandidos, estupradores e banqueiros. Ainda mais que os workshops em resorts tinham sido descobertos e amaldiçoados e diminuído seus ganhos... E, ASSIM, a nova fase evolutiva da sociedade passou a ver a usurpação do poder, não mais pelos coturnos de 64, e sim por togados de nova geração que arrastaram os decanos e outros canos para assumir o poder.  Mérito? Não têm, mas como antes também já havia os fhc, serra, aloysio, temer, picolé, e jucá, quem poderia reclamar? A questão de o poder vir da fonte legitima - o voto do povo - era apenas um forma de semântica tão desprezível como a própria CF que nunca foi mesmo respeitada. Eis o NOVO  BRASIL... com brasileiros obnubilados pela surpresa de ver que "até" juízes que viajavam para os EUA para suas compras em brechós optaram por ser súditos do tio Sam. Todos pensando em antigo refrão do tempo dos milicos -´o último que sair queira apagar a luz.  
nnn 10\06

CRETINOS PRESUMIDOS OU DE FATO


    HÁ POUCOS DIAS O PGR RODRIGO JANOT, respondendo a insinuação de repórter sobre grampo colocado em cela de prisioneiro reagiu, com ênfase, e disse: PENSA QUE SOU CRETINO?  Ficou tal reação como caixa preta por que dá para pensar que ele não se julga cretino, mas não disse assertivamente o que se insinuava.  MAS VALE O MOTE - PENSAR QUE HÁ CRETINICE GENERALIZADA NA POPULAÇÃO !! Todas as falas, atitudes de JUÍZES E SUA LAIA TOGADA, de PROCURADORES, de POLITICOS E MINISTROS ATUAIS estão na mesma vala sob a opinião pública.  São a cada dia mais considerados insensíveis e incapazes de se ver dentro de realidade. Estão a tratar a sociedade com seus preconceitos como explicitamente fez o ministro Barroso com seu racismo indisfarçável. Essa evocação do adjetivo CRETINO aliás, tem pertinência, já que todos tem modos de singular idiotia que merece mesmo ser qualificada assim.  NÃO SE APERCEBEM que ser gafanhotos do erário e se locupletarem com furtos salariais imorais não lhes dá mérito ou valor, apenas supre seus bolsos imundos. Mostra sua ignorância que a vida não amenizou. Sua fugaz condição de estar um degrau acima na escala material da vida, cega a imbecis como se mostram, nada mais! Com um mínimo de leitura poderiam ver que casas reais e imperiais podem ruir ao despertar dos povos a que oprimem ( 1789 e 1917 são anos que podem elucidá-los). Mequetrefes mais para cafajestes, sem estofo intelectual estão repetindo sob togas, o papelão que fizeram os que calçavam coturnos em 1964. Se querem se defender de ser cretinos o primeiro passo seria entender que os contribuintes que os sustentam NÃO O SÃO! Tudo passa e as coisas mudam.  Serão sim, de fato, todos merecedores da qualificação de que querem fugir se não virem que estão se postando em caminho sem volta. Nós, que os toleramos estamos acima dessa condição que temem, mas temos tolerância finita. Devem se conscientizar que os exemplos que dão em sua condução é que os faz cretinos mesmo, e com duração efêmera.  Ao acordarem verão que seu RACISMO e PRECONCEITO poderão ser sua condenação. A negritude de suas mentes é mais forte do que os tons de epiderme que desprezam. Deveriam usar um pouco do dinheiro que furtam para se ilustrar sobre sua deplorável conduta face aos valores humanos, sociais e éticos.  Até quando terão essa animalidade de seguir seu faro instintivo e famélico por dinheiro com desprezo a valores reais?
    nnn 8\06
    ONDE NASCE A CORRUPÇÃO ?
    Qualquer pesquisador que procure identificar o vetor infectante que impõe risco á sociedade e pessoas, irá, certamente, ao nascedouro como ocorreu aos descobridores de meios para combater doenças e pragas.  Quando o mal que assola a sociedade é a corrupção, nada mais correto do que a verificação de o que a sustenta ou lhe deu origem.  Se há nas regras sociais um esquema de freios e contrapesos, por que não funciona para estancar essa praga?  O mosquito da dengue se procria em águas paradas. Nem é difícil ver que há águas paradas servindo de viveiro aos corruptos. Quando se promoviam workshop em resorts caríssimos no litoral da Bahia.em que ministros togados eram homenageados com 'boca livre' e transporte em jatinhos etc, tudo sob patrocínio de empresas tudo figurava como normal. Eram reuniões de 'altos estudos' para o bem da sociedade e nem uma suruba ocasional deslustraria o alto propósito de probos juizes... Férias em iates facultadas a togados também não é compra de sentenças, no máximo, uma convivência salutar e esclarecedora dos altos propósitos dos empresários que "dão duro"para A EVOLUÇÃO ... de quem? Quando algum ministro federal soube que togados estaduais estavam se locupletando com benesses salariais para filhos ou para compras de livros, nem pensar em reprovação - era como uma luz a ser imitada em sua esfera. Muito bem bolada essa jogada, como foi escapar de ser prevista na loman? É preciso uma revisão da loman - está ficando arcaica em relação ao que se quer. Por que juízes tem só cem vezes o ganho de um trabalhador? E sua condição de deuses, amos e senhores da vida? Quem não conhece não sabe, ou não quis ver na republica de Curitiba, que 'certas' personagens tinham direito a fita adesiva sobre seus nomes 'acidentalmente' colocados em processos? Por que se tornou famosa a frase 'isso não vem ao caso' quando se interrogava o tal musso que conduzia e que, por sua vez tinha um contra-cheque com dobro ou triplo do que dispõe a lei para retribuição salarial dos mais bem pagos funcionários da União. Com um desenvolvimento social desse porte, tal seria que se dispusessem a ser ingratos aos empresários que lhes dão tanto prestígio! Como se diz noblesse oblige, para se viver com fausto de marajás há que se ser leniente com quem se convive. Pensam - somos todos filhos de deus - porque nosso saber imenso tem de ser pago somente pelo erário? O mundo é maior do que esse brazilzinho chinfrim e precisam comprar paletós e gravatas nos brechós de Miami, ora essa! AGORA, com a brecha de delação premiada será mais fácil a composição de acordos com o mundo rico. Teremos mais poder de força. A distribuição de riquezas será equânime e togados terão participação além de viagens e banquetes. O caso Yousself será padrão e amostra de nossa força. Pode-se pensar em pena de 100 anos reduzida a 3 por decisão monocrática?  Todos ficarão como o presidente TEMEROSOS.
      •  
    nnn 13\06

    Mudando pequenos detalhes podemos situar a condição social brasileira à que se deu na França em 1940. Sob domínio da invasão alemã, a sociedade se mostrou aturdida e manietada já que seus meios de defesa estavam rendidos aos invasores. Mas, como sempre, apareceu um 'vivo' entre os capachos que entrou em negociação. Um Petain até tinha alguma reputação de ser legitimo patriota, mas era dos que perdem o pelo mas não oportunidade. E fez o honroso/horroroso acordo com os invasores com agrados mil,pagando suas despesas pela invasão e se prestando a ser serviçal por qualquer desejos que tivessem. Tal como aqui, a sociedade se viu dividida. Os 'vivos', muitos já se dispuseram a ser colaboracionistas visando natural ascensão sob o poder que deprimia o país.  Não faltaram prefeitos de comunas, politicos padrão psdb/pmdb e demais mercenários tipo fiesp a aderir. O fito era o lucro...pátria? o que seria isso? Instalou-se assim a dupla face social - vizinhos que se cumprimentavam mas sentindo nojo interno por saber que era colaboracionista, ou o cunhado que forçava sua irmã a ser discreta ou fingida para esconder as vantagens que colhia em ser coxinha. A dignidade e sentimento de pátria se esgarçou e só quem tinha vergonha o manteve... TAL E QUAL COMO ESTAMOS VIVENDO NESTE BRASIL SOB INVASÃO !  Aqui também, em sã consciência não poderíamos esperar atitude de valor do STF que já mostrara sua covardia na invasão de 1964 e sua índole de acomodação mediante salários, principalmente fermentados. E estamos vendo sua cumplicidade aos desejos do invasor. Quis este que um sabotador preparado em suas escolas fosse mantido apesar de incorrer em destruição de leis e tradições, para abrir caminho ao seu domínio de pre-sal e outras prendas que cobiçava. Por dinheiro, togados todos se fizeram regidos pela batuta indicada pela globo (sempre estafeta dos EUA), que foi entregue ao JB para reger a abertura e logo mais entregou a direção ao 'spalla' que já era moldado como servil. Este tendo a tradição de ser aliado e nomeado por fhc,  tinha confiança até prova em contrário. E TODOS, A PARTIR DISSO, PASSARAM A MOLDAR OS INTERESSES DOS INVASORES SOB SUA MINUTA - Os fardados já mandaram abrir picadas na amazônia para que examinassem sua nova conquista, fizeram juramento de abandonar estudos de energia nuclear e até ofereceram a base de Alcântara e sede para exercício de sua ocupação nas capitais importantes. E OS DEMAIS BRASILEIROS QUE, SEM APEGO A ESSA CULTURA DE SUBMISSÃO, FICARAM INDEFESOS, MANIETADOS?  Deveriam despir-se de sua dignidade e aderir? Sem dúvida que a alguns isso veio à mente. Os demais ainda estão vivendo o sonho romântico de ser resistência. É uma luta íntima e social, pois não faltam dissuasores a mostrar que os 'maquis' da França contavam com meios fornecidos pela corretagem de De Gaulle enquanto aqui...ficamos todos no salve-se quem puder!  Ao se ver que fardados reforçaram sua adesão de 64, que togados venderam sentenças e almas, que empresários que já eram do clã do heróico general Kruel, só sobrou a resignação e a filosofia que mais vale morrer de pé do que viver ajoelhado... POBRE POVO BRASILEIRO QUE QUER SE MANTER DIGNO.  O PAÍS MINADO PELA PELA AÇÃO CORROSIVA DE UMA MIDIA INFAME, SOFREU O DESMONTE DE AMPARO DE SINDICATOS COMO CAMINHO PARA A DESTRUIÇÃO DA CLT EM CURSO (TUDO DENTRO DO PROGRAMA DO INVASOR), ORA SE PREPARA PARA SER SERVO DA GLEBA COMO SE FOSSE RETORNO AO MEDIEVALISMO.  ONDE SE ESCONDE O TAL DEUS DITO BRASILEIRO ??  ....observação-esta cópia se fez para trocar citação latina de uso de advogados antigos 'juris tantum' (até prova em contrário) e um "Tal" que uso muitas vezes e denunciaria autoria - mudei para 'UM'...não vi, no resto, nada que se devesse mudar. (O SPALLA do texto é nome clássico do primeiro violino de orquestra, que substitui o maestro), dai ser expressão devida.